você está aqui: Home  → Arquivo de Mensagens

Como os pais podem incentivar o conhecimento aberto em casa com projetos do tipo faça você mesmo?

Por Cesar Brod

Data de Publicação: 20 de Dezembro de 2013

O termo DIY (Do It Yourself, literalmente faça você mesmo) nunca esteve tão popular entre os hobbistas de tudo. Isso graças, em grande parte, à popularização de projetos com o Arduino, o Makey-Makey e outros. Uma pequena busca no Google pelo termo DIY, seguido por qualquer coisa (tente Coca-Cola, por exemplo), já é um exercício para a imaginação e a criatividade. Comece pela receita DIY fornecida por alguém e transforme-a a seu bel prazer, da mesma forma como é possível fazer isso com qualquer tecnologia livre e aberta.

É nessa linha que a Carolyn Fox, blogueira do portal Opensource.com, escreveu um artigo, no início deste ano, que cai como uma luva para um projeto que tenho para 2014: retomar ações que envolvam pais e filhos na construção de qualquer tipo de coisa com tecnologias livres. O incentivo para isso veio do sucesso, muito além do esperado, de meu livro Aprenda a Programar - a arte de ensinar o computador e de um papo com a Joice Käfer no qual lembramos das oficinas de pandorgas, aviões de papel e rádios de galena que promovíamos através do grupo Gnurias. Quem sabe não é essa a oportunidade de revivermos esse grupo? #ficaadica

A Carolyn e o pessoal bacana do Opensource.com permitiram que eu traduzisse o artigo que ela escreveu para o português. Sem mais delongas, aqui está ele:


Minha resolução de ano novo foi incentivar uma educação mais aberta em casa, unindo-me a uma subcultura social crescente. A princípio, comecei a substituir alguns produtos comerciais domésticos, como pasta de dente, por alternativas de "código aberto". Afinal, não há patentes ou marcas registradas para bicarbonato de sódio (2/3 de um copo), sal (quatro colheres de chá), óleo de menta (uma colher de sopa) ou óleo de coco (duas a três colheres de sopa) - tudo o que você precisa para fazer uma pasta de dente caseira. Todos estes componentes são fáceis de ser encontrados, talvez com a exceção do óleo de menta (que você pode substituir por extrato de canela, baunilha, ou outros que você possa imaginar com sua criatividade e mente aberta).

Munida dos ingredientes necessários para fazer a minha própria pasta de dente, consumi menos tempo para fazê-la do que o que o que costumo gastar na fila do supermercado para comprar sua equivalente comercial. Além disso, o valor gasto foi menor. E minha pasta de dente não tinha flúor, preservativos ou outras substâncias químicas danosas que causam danos à saúde.

Praticamente todas as pessoas usam algum tipo de pasta de dente todos os dias, mas quantos de nós questionamos a futilidade de uma marca comercial para algo que nós mesmos podemos fazer, usando o conceito de código aberto? Quantos de nós queremos ver nossos filhos entusiasmados com matemática, ciências e história, ou viver uma vida mais simples, ecologicamente correta e saudável ao fazermos nossa própria pasta de dente?

Além disso, fazer a sua própria pasta de dente, xampu ou mesmo sabão em pó não requer nenhuma habilidade especial. Não é algo trabalhoso ou que consuma muito tempo e nem exige um processo misterioso.

Quando comecei a descobrir o movimento faça você mesmo (DIY), fiquei um tanto intrigada e perplexa - até que fiz a analogia com o movimento de código aberto. Percebi que esse movimento era a ampliação ou extensão do movimento de código aberto e uma maneira de superar uma crise na educação. E não estou sozinha nesse meu raciocínio. Em setembro de 2012, um jornalista de tecnologia da BBC News escreveu sobre a revolução prevista por Karl Marx, mas Marx não poderia imaginar que ela seria possível graças a uma brigada do movimento faça você mesmo. Sem a tecnologia digital é verdade que tais esforços seriam pequenos, mas com ela, este movimento está criando fortes raízes.

O tempo irá dizer o quanto este movimento afetará o mundo de código aberto, gerar questionamentos que virão a partir da percepção de que você pode dispensar um produto comercial e caro em favor de algo que você mesmo pode fazer e influenciar gerações futuras com essas ideias. Agora mesmo há sites para crianças, como o DIY.org, que estão em franca expansão. Sites desse tipo apostam que as crianças estão mais envolvidas com tecnologia digital em idades muito mais tenras do que as gerações anteriores e posicionam-se como lugares onde as crianças podem imaginar, construir, hackear, crescer e adquirir habilidades - uma versão digital e atualizada do movimento escotista. Há planos futuros para assinaturas e opções para que as crianças vendam as suas invenções (coisas que podem não ter passado pela cabeça de Marx, ou de Robert Baden-Powell, fundador do movimento escotista).

DIY.org é livre e está aberto para crianças a partir dos sete anos de idade, ainda que pareça ser, principalmente, direcionado a meninos. Uma boa coisa é que a manufatura de pasta de dente é, ao contrário, universal e neutra em termos de gênero. Talvez, essa seja uma forma alternativa de envolver as meninas em ciência, tecnologia, engenharia e matemática... E código aberto! Até o momento, porém, a tecnologia digital e todo o tipo de manipulação criativa que envolve coisas do tipo DIY tendem a focar-se, inicialmente, nos garotos.

Mais do que isso, penso que as meninas estarão mais prontamente interessadas em criar coisas novas se elas forem incentivadas, inicialmente, em algo como fazer a sua própria pasta de dente. Isso incentivaria um sentimento de poder, autonomia e empreendedorismo. (Leia os pensamentos de Wendy Priesnitz sobre o sucesso econômico, que questiona a tradição de bem estar baseada apenas no aspecto financeiro).

Em resumo, permitir que as crianças façam a sua própria pasta e dente não só é um princípio de economia e autoconfiança, mas também um ato um tanto subversivo.


Terminou a tradução! E você, o que vai fazer para mudar o mundo a partir de 2014. A Dobro Comunicação, uma empresa aqui de Lajeado da qual minha mulher e minha filha do meio são sócias, decidiu pintar um quadro-negro em um muro onde as pessoas poderão escrever sobre suas ações para o ano novo. A BrodTec, inspirada na ideia, resolveu criar uma versão online desse muro. Deixa a tua ideia lá! Quem sabe descobrimos boas coisas para desenvolvermos juntos!

Leia mais

Sobre o autor

Cesar Brod é empresário e consultor nos temas de inovação tecnológica, tecnologias livres, dados abertos e empreendedorismo. Sua empresa, a BrodTec, faz também trabalhos tradução e produção de conteúdo em inglês e português. Além de sua coluna, Cesar também contribui com dicas para o Dicas-L e mantém um blog com aleatoriedades e ousadias literárias. Você pode entrar em contato com ele através do formulário na página da BrodTec, onde você pode saber mais sobre os projetos da empresa.

Mais sobre o Cesar Brod: [ Linkedin ] | [ Twitter ] | [ Tumblr ].


Para se manter atualizado sobre as novidades desta coluna, consulte sempre o newsfeed RSS

Para saber mais sobre RSS, leia o artigo O Padrão RSS - A luz no fim do túnel.

Recomende este artigo nas redes sociais

 

 

Veja a relação completa dos artigos de Cesar Brod