você está aqui: Home  → Colunistas  →  Gosto de Gente

Doutrinando o seu animal interior

Por Fernanda Alves Chaves

Data de Publicação: 24 de Abril de 2008

Nem vem que não tem! Mesmo você querendo dizer que não assiste Tv (pois ela emburrece), e mesmo você falando que é incapaz de sentar-se no sofá nas tardes de domingo para assistir ao Gugu, certamente você já assistiu as Video Cassetadas do Faustão. Não precisa ficar envergonhado, esse é um deslize que todos nós já cometemos. Faz parte.

Entre uma tia gorda se espatifando no chão, um cachorro correndo atrás do rabo e um atleta levando uma bolada no 'playground' sempre tem aquele tiozão que leva um choque ou que toma um susto. Se o tal do tiozão dá um grito de macho, nem tem tanta graça. O bom mesmo é quando ele dá um gritinho estridente, cola o cotovelo na cintura e abana as mãos freneticamente, parecendo um tuiuiu querendo levantar vôo. Aí é gargalhada na certa. O telespectador ri tanto que periga até doer o baço. E, se você nunca riu deste jeito assistindo esses quadros na televisão, lamento muito por você. Que me perdoem os coroinhas e os politicamente corretos, mas rir da desgraça alheia é sempre uma delícia.

Levar um susto, ou um choque é uma situação de stress. Mas pense que, ficar sentado na cabeceira da cama, bebericando uma Fontana Fredda enquanto sua namorada faz um striptease pra você, também é um baita stress.

Ou seja, não interessa se é bom ou ruim, o que precisamos saber é que o stress nada mais é do que o aumento da adrenalida a pontos quase que incontroláveis.

Dentro das organizações, situações de stress são tão comuns que já nem fazemos tanto alarde por isso. Você já parou pra pensar que passamos por situações de stress inúmeras vezes ao dia? Quantas vezes o telefone te interrompe quando você está ultra mega concentrado fazendo aquela fórmula gigantesca na planilha eletrônica? Quantas vezes você tem que explicar ao seu chefe que seu horário de almoço é 1h30 e não 1h? Como você fica quando demitem seu melhor colega de trabalho para contratar duas estagiárias lerdinhas (e gostosas)? Isso é tudo stress, stress, stress.....

Bem, mas o que eu queria falar pra vocês hoje não é sobre stress. Eu vim pra falar sobre os comportamentos instintivos das pessoas quando colocadas sob situações de stress dentro do ambiente de trabalho. É assustador o grau de autenticidade que adquirimos nas nossas ações quando estamos nestes momentos. É nessas horas que, não o importa o tamanho da máscara, ela sempre cai! E aí, nos deparamos com as mais profundas e sombrias facetas da personalidade humana.

Eu sei que, dependendo da gravidade do problema que você tem na empresa, sua única vontade é de elogiar a todos com os mais bonitos adjetivos, em alto e bom som. Mas, eu peço, para o seu bem profissional, domine seu animal interior e se contenha.

Todos nós já ouvimos ou até fizemos parte de conversas de corredor, onde o tema principal era o comportamento (não muito adequado) de Fulaninho ou de Beltraninho. E esse comportamento vai desde a uma exaltação em uma reunião para definição do budget até se embebedar na confraternização de final de ano.

Pense que, a imagem que deseja que seus superiores e subordinados tenham de você é a de um profissional competente e de bom relacionamento. Nunca vi uma única alma viva querer ser lembrada por ter batido o teclado contra a mesa - em um momento de fúria - por um fatal error em um software.

Dicas para você enfrentar situações ruins de stress profissional sem perder a compostura.

Primeiro de tudo, dê uma breve pausa e enquanto isso...

  • Respire. Respire com calma e bastante intensidade;

  • Se estiver sentado, se ajeite na cadeira e alinhe a coluna;

  • Se estiver em pé, deixe com que seus ombros caiam um pouco e distribua o peso do corpo sobre os dois pés;

  • Examine o ambiente em que está e não se esqueça de olhar pra cima - pode haver uma câmera indiscreta te filmando;

  • Se tiver pessoas próximas, ou estiver conversando com alguém, mantenha um tom de voz ameno;

  • Repasse rapidamente todas as palavras mágicas que sua mãe deve ter lhe ensinado quando criança - por favor, obrigado, com licença, desculpe, etc;

  • Lembre-se que aquele é seu local de trabalho (e não um ring) e que as pessoas ao seu redor são seus colegas (e não necessariamente adversários);

    Volte da breve pausa, racionalize e agradeça à todas as divindades pelos problemas da sua empresa. Caso fosse tudo perfeito, você estaria desempregado.

Preste bastante atenção em como você trata seus colegas e em como você reaje aos problemas e as notícias boas. Infelizmente não é a maneira que você sente as coisas que conta, o que mais importa dentro das organizações é o jeito que você externaliza o ocorrido. Bons profissionais são elogiados pelo seu comportamento e competência, tanto em situações boas como nas mais complicadas.

Não temos domínio das nossas emoções, mas das nossas ações, sim.

Sobre a autora

Fernanda Alves Chaves é daquelas pessoas que buscam o que ainda há de humano em um ambiente dominado pela tecnologia. É administradora, especialista em Gestão de Pessoas, profissional de RH e professora universitária. A verdade mesmo é que ela gosta de gente, e é figurinha fácil entre os ambientes dominados por nerds, geeks, etc. Se empenha em ver toda a gente crescer, melhorar, atuar em redes. E, na visão dela, as pessoas começam a formar redes antes de chegarem perto de computadores! As redes se formam de mãos dadas, da troca de olhares, de palavras e... pois bem, também de e-mails, mensagens instantâneas e scraps. Independente dos meios, redes serão sempre de pessoas às quais a tecnologia deve servir, nunca o contrário. É para lembrar disto, sempre, que Fernanda nos brinda com sua coluna no Dicas-L!

Recomende este artigo nas redes sociais

 

 

Veja a relação completa dos artigos desta coluna