você está aqui: Home  → Colunistas  →  Gosto de Gente

Você pode ser o que quiser

Por Fernanda Alves Chaves

Data de Publicação: 15 de Agosto de 2007

Dias atrás, cá estava eu, calma e serena, lendo o jornal dominical de maior circulação da melhor cidade do mundo. Enquanto isso, alguns amigos estavam assistindo televisão aqui em casa.

Os meninos estavam atentos a um tradicional programa, apresentado nas noites de domingo. Um programa que muitos dizem ser: Fantástico! Hahaha... Bem... Após assistir ao quadro "Emprego de A a Z", sobre carreira, do Max Geringhner, foi travada uma discussão hérculea na sala. O conflito aconteceu porque meus colegas acreditavam que o Max não era a melhor pessoa pra falar sobre o assunto. E, além disso, diziam que o próprio assunto, era uma balela.

Nota 1: Pra quem não conhece, o Max é um cara alto, olhos claros, ombros largos, bem vestido, sorriso grande, voz encorpada, grisalho, charmoso, jornalista, consultor empresarial e inteligente. Esse último, nem precisava.

Nota 2: Vale lembrar que os colegas que iniciaram a discussão eram engenheiros. E, como qualquer criança venusiana sabe, engenheiro é aquele cara que inventou, planejou e construiu o universo. Chuck Norris foi, apenas, um mero coadjuvante oportunista.

Deixando a prolixidade de lado, e voltando ao assunto principal, o charmosão falava sobre quais são as características e comportamentos que devemos ter ao fazer nosso marketing pessoal.

Primeiro de tudo. Vamos lá. Marketing pessoal é tudo aquilo que você faz quando sente a necessidade de realizar propaganda de si.

Garotões sarados, com uma camiseta: "- Instrutor sexual. Primeira aula grátis". O que ele está fazendo é marketing pessoal. O cara está sinalizando uma atividade e logo depois, está dizendo que se oferece para dar uma aula gratuitamente.

O que temos que prestar atenção, não é no marketing pessoal, propriamente dito. Devemos estar atentos às mensagem que transmitimos quando efetuamos a dita cuja da propaganda.

Analisando o garotão sarado, podemos chegar a várias conclusões:

  1. Ele é bom professor e, após ler um pouco de Philip Kotler, decidiu investir em uma estratégia de marketing agressiva.
  2. Ele não tem tido muita clientela e precisa anunciar suas atividades de uma maneira bastante incisiva.
  3. Ele leu na revista Veja que o Bill Gates, afim de cativar seus consumidores, obteve grande sucesso ao ofertar amostras gratuitas de utilização dos seus produtos. O sarado resolveu experimentar a mesma prática no ramo de negócios dele.
  4. Como ele não obteve benefícios através da propaganda boca-a-boca dos seus antigos clientes, está tentando buscar novos alunos através do oferecimento da amostra gratuita dos seus serviços.
  5. Essa é a lembrança do primeiro churrasco da turma matutina de educação física da federal. E, por um acaso do destino, era a única camiseta limpa que ele achou no armário da república.
  6. Ele é ninfomaníaco e inventa qualquer tipo de mentira para poder dar "umazinha".

Viram como é importante pensar em que tipo de mensagem você está transmitindo. É por essas e tantas mais, que eu corroboro com o Max e indico que vocês prestem atenção em alguns comportamentos que tenham, tanto na vida pessoal quanto na vida profissional.

Aqui tem algumas dicas de como trabalhar seu marketing pessoal:

  1. Apareça. Exemplo de visibilidade: Gasparzinho. Se faça presente e dê um jeito de aparecer. sempre. Nunca perca uma boa oportunidade de aparecer.
  2. Seja empático. Exemplo de empatia: Bob Esponja. Nunca deixe de elogiar e dar crédito a quem realmente merece.
  3. Seja otimista. Exemplo de otimismo: Odie, o amigo cachorro do Garfield. Mesmo que tudo ao seu redor pareça conspirar contra você, que seu chefe seja burro e seu salário seja pouco. Seja otimista!! Amanhã será um novo dia e ele pode ser melhor. Ou não.
  4. Pratique a liderança. Exemplo de lider: Optimus Prime. Descubra qual o botãozinho que precisa ser apertado para que a outra pessoa funcione como você deseja. Logo depois, aperte-o.
  5. Seja confiável. Exemplo de confiabilidade: Guarda Belo. Independente do quão difícil seja seu trabalho, ou de quantas pessoas queiram derrubá-lo, seja forte e faça o que precisa ser feito transparecendo, confiança e confiabilidade.
  6. Tenha visão. Exemplo de visão além do alcance: Lion. Não se conforme em enxergar apenas o que seus olhos vêem. Verifique maneiras de conseguir enxergar além, afim de encontrar novas possibilidades.
  7. Saiba trabalhar em equipe. Exemplo: Super gêmeos. Mesmo que você seja bom, sempre existe alguém que tem características e habilidades diferentes e/ou complementares as suas. Saiba se unir e se relacionar, para formar um todo melhor.
  8. Seja integro. Exemplo de integridade: Lisa Simpson. Entenda exatamente o que significam e até onde vão os seus direitos e os seus deveres. Após isso, faça com que as pessoas ao seu redor também entendam. Caso eles não entendam, jamais use a força.

O melhor marketing pessoal é aquele que não precisa ser feito. Em contrapartida é o que demanda mais energia. Se policie para ter sempre atitudes e comportamentos bons. Essa é a única maneira de você se livrar de ficar escrevendo no seu currículo (ou nas camisetas), sobre o quão competente você é. As pessoas já vão saber das suas qualidades, sem precisar que você as anuncie.

Fechando o pensamento. Assistir programas ou ler livros sobre desenvolvimento pessoal ou profissional (muitos intitulados auto-ajuda) não é e nem nunca foi "balela". Ruim mesmo é você achar que sabe tudo e não se comportar como se soubesse, cometendo os mesmos erros de sempre. ps: O título da coluna desta quinzena "Você pode ser o que quiser" é o slogan da empresa curitibana O Boticário, no ano de 2005.

Sobre a autora

Fernanda Alves Chaves é daquelas pessoas que buscam o que ainda há de humano em um ambiente dominado pela tecnologia. É administradora, especialista em Gestão de Pessoas, profissional de RH e professora universitária. A verdade mesmo é que ela gosta de gente, e é figurinha fácil entre os ambientes dominados por nerds, geeks, etc. Se empenha em ver toda a gente crescer, melhorar, atuar em redes. E, na visão dela, as pessoas começam a formar redes antes de chegarem perto de computadores! As redes se formam de mãos dadas, da troca de olhares, de palavras e... pois bem, também de e-mails, mensagens instantâneas e scraps. Independente dos meios, redes serão sempre de pessoas às quais a tecnologia deve servir, nunca o contrário. É para lembrar disto, sempre, que Fernanda nos brinda com sua coluna no Dicas-L!

Recomende este artigo nas redes sociais

 

 

Veja a relação completa dos artigos desta coluna