você está aqui: Home  → Arquivo de Mensagens

xargs - construção e execução de linhas de comando a partir da entrada padrão

Colaboração: Julio Cezar Neves

Data de Publicação: 23 de janeiro de 2019

Existe um comando, cuja função primordial é construir listas de parâmetros e passá-la para a execução de outros programas ou instruções. Este comando é o xargs e deve ser usado da seguinte maneira:

xargs [comando [argumento inicial]] 

Caso o comando, que pode ser inclusive um script Shell, seja omitido, será usado por default o echo.

O xargs combina o argumento inicial com os argumentos recebidos da entrada padrão, de forma a executar o comando especificado uma ou mais vezes.

Exemplo



Vamos procurar em todos os arquivos abaixo de um determinado diretório uma cadeia de caracteres usando o comando find com a opção -type f para pesquisar somente os arquivos normais, desprezando diretórios, arquivos especiais, arquivos de ligações, etc, e vamos torná-la mais genérica recebendo o nome do diretório inicial e a cadeia a ser pesquisada como parâmetros. Para isso fazemos:

$ cat grepr
#
# Grep recursivo
# Pesquisa a cadeia de caracteres definida em $2 a partir do diretorio $1
#
find $1 -type f -print|xargs grep -l "$2"

Na execução deste script procuramos, a partir do diretório definido na variável $1, todos os arquivos que continham a cadeia definida na variável $2.

Exatamente a mesma coisa poderia ser feita se a linha do programa fosse a seguinte:

 find $1 -type f -exec grep -l "$2" {} \;

Este processo tem duas grandes desvantagens sobre o anterior:

  1. A primeira é bastante visível: o tempo de execução deste método é muito superior ao daquele, isso porque o grep será feito em cada arquivo que lhe for passado pelo find, um-a-um, ao passo que com o xargs, será passada toda, ou na pior das hipóteses, a maior parte possível, da lista de arquivos gerada pelo find;

  2. Dependendo da quantidade de arquivos encontrados que atendem ao find, poderemos ganhar aquela famosa e fatídica mensagem de erro "Too many arguments" indicando um estouro da pilha de execução do grep. Como foi dito no item anterior, se usarmos o xargs ele passará para o grep a maior quantidade de parâmetros possível, suficiente para não causar este erro, e caso necessário executará o grep mais de uma vez.

ATENÇÃO! Aê pessoal do linux que usa o ls colorido que nem porta de tinturaria: nos exemplos a seguir que envolvem esta instrução, vocês devem usar a opção --color=none, se não existem grandes chances dos resultados não ocorrerem como o esperado.

Vamos agora analisar um exemplo que é mais ou menos o inverso deste que acabamos de ver. Desta vez, vamos fazer um script para remover todos os arquivos do diretório corrente, pertencentes a um determinado usuário.

A primeira idéia que surge é, como no caso anterior, usar um comando find, da seguinte maneira:

 $ find . -user cara -exec rm -f {} \;

Quase estaria certo, o problema é que desta forma você removeria não só os arquivos do cara no diretório corrente, mas também de todos os outros subdiretórios "pendurados" neste. Vejamos então como fazer:

$ ls -l | grep " cara " | cut -c55- | xargs rm

Desta forma, o grep selecionou os arquivos que continham a cadeia cara no diretório corrente listado pelo ls -l. O comando cut pegou somente o nome dos arquivos, passando-os para a remoção pelo rm usando o comando xargs como ponte.

O xargs é também uma excelente ferramenta de criação de one-liners (scripts de somente uma linha). Veja este para listar todos os donos de arquivos (inclusive seus links) "pendurados" no diretório /bin e seus subdiretórios.

$ find /bin -type f -follow | \
xargs ls -al | tr -s ' ' | cut -f3 -d' ' | sort -u

Muitas vezes o /bin é um link (se não me engano, no Solaris o é) e a opção -follows obriga o find a seguir o link. O comando xargs alimenta o ls -al e a seqüência de comandos seguinte é para pegar somente o 3º campo (dono) e classificá-lo devolvendo somente uma vez cada dono (opção -u do comando sort).

Você pode usar as opções do xargs para construir comandos extremamente poderosos. Para exemplificar isso e começar a entender as principais opções desta instrução, vamos supor que temos que remover todos as arquivos com extensão .txt sob o diretório corrente e apresentar os seus nomes na tela. Veja o que podemos fazer:

$ find . -type f -name "*.txt" | \ 
xargs -i bash -c "echo removendo {}; rm {}"

A opção -i do xargs troca pares de chaves ({}) pela cadeia que está recebendo pelo pipe (|). Então neste caso as chaves ({}) serão trocadas pelos nomes dos arquivos que satifaçam ao comando find.

Olha só a brincadeira que vamos fazer com o xargs:

$ ls | xargs echo > arq.ls
$ cat arq.ls
arq.ls arq1 arq2 arq3
$ cat arq.ls | xargs -n1
arq.ls
arq1
arq2
arq3

Quando mandamos a saída do ls para o arquivo usando o xargs, comprovamos o que foi dito anteriormente, isto é, o xargs manda tudo que é possível (o suficiente para não gerar um estouro de pilha) de uma só vez. Em seguida, usamos a opção -n 1 para listar um por vez. Só para dar certeza veja o exemplo a seguir, quando listaremos dois em cada linha:

$ cat arq.ls | xargs -n 2
arq.ls arq1
arq2 arq3

Mas a linha acima poderia (e deveria) ser escrita sem o uso de pipe (|), da seguinte forma:

$ xargs -n 2 < arq.ls

Outra opção legal do xargs é a -p, na qual o xargs pergunta se você realmente deseja executar o comando. Digamos que em um diretório você tenha arquivo com a extensão .bug e .ok, os .bug estão com problemas que após corrigidos são salvos como .ok. Dá uma olhadinha na listagem deste diretório:

$ ls dir
arq1.bug
arq1.ok
arq2.bug
arq2.ok
...
arq9.bug
arq9.ok

Para comparar os arquivos bons com os defeituosos, fazemos:

$ ls | xargs -p -n2 diff -c
diff -c arq1.bug arq1.ok ?...y
....
diff -c arq9.bug arq9.ok ?...y

Para finalizar, o xargs também tem a opção -t, onde vai mostrando as instruções que montou antes de executá-las. Gosto muito desta opção para ajudar a depurar o comando que foi montado.

Então podemos resumir o comando de acordo com a tabela a seguir:

Opção Ação
-i Substitui o par de chaves ({}) pelas cadeias recebidas
-nNum Manda o máximo de parâmetros recebidos, até o máximo de Num para o comando a ser executado
-lNum Manda o máximo de linhas recebidas, até o máximo de Num para o comando a ser executado
-p Mostra a linha de comando montada e pergunta se deseja executá-la
-t Mostra a linha de comando montada antes de executá-la


Veja a relação completa dos artigos de Julio Cezar Neves