você está aqui: Home  → Arquivo de Mensagens

Case - Bloqueando um HTTP DDoS com ModSecurity, Ossec e Iptables

Colaboração: Alexandro Silva

Data de Publicação: 05 de maio de 2011

Recentemente tive uma experiência pra lá de interessante e estressante. Num dia que aparentava estar muito tranquilo me avisam que detectaram uma lentidão muito grande ao acessar o site de um cliente.

Verificando algumas informações do sistema detectei cerca de 14000 conexões na porta 80 o que me deixou um pouco espantando porque era uma situação totalmente atipica

  netstat awt | grep 80 | wc -l
  14345

Isto estava causando um crash no servidor de banco porque ele não estava conseguindo dar vazão a tantas tentativas ocorrendo simultaneamente.

1ª ação - Parar o serviço respirar fundo e tentar isolar o problema.

Como neste mesmo servidor existiam outros sites inicialmente tive que detectar qual era o site alvo, após alguns testes encontrei o infame.

2ª ação - Mover o site para outro servidor e substituir o ip.

Movi o site para outra máquina evitando que os outros sites fossem afetados, porém quando liberei a porta 80 para o mundo o inferno começou novamente. O load average do servidor conseguiu chegar a 300 em questão de minutos.

3ª ação - Estudar o log e tomar as medidas cabiveis

Numa rápida olhada no log do apache detectei a assinatura do ataque

  111.111.111.111 - - [26/Apr/2011:17:01:00 -0300] "GET /?WWW.ATARDE.COM.BR
  HTTP/1.0" 400 415 "-" "User-Agent: Mozilla/4.0 (compatible; MSIE 8.0; Windows NT 6.1; WOW64; Trident/4.0; SLCC2; .NET CLR 2.0.50727; .NET CLR 3.5.30729; .NET CLR 3.0.30729; Media Center PC 6.0; Creative AutoUpdate v1.40.02)"

O IDS da rede detectou este ataque como DOUBLE USER-AGENT attack. Como ele vinha de várias origens dinamicamente, bloquear os ips era uma tarefa árdua, então tive que resolver no servidor mesmo.

4ª ação - Medidas emergenciais

Como o tempo para raciocinar era muito pouco realizei algumas tentativas não tão eficazes porém contornava um pouco essa situação

Como a assinatura do ataque não mudava foi fácil criar uma regra de iptables através de expressão regular. Ela não é de minha autoria, sou péssimo nesse quesito.

  tail -f /var/log/apache2/www.hackme.com.br-access.log | grep [aA][Tt][aA][rR][dD][eE] | awk '{print "iptables -A INPUT -s "$1" -j REJECT"}' | sh &

Usar o REJECT não é muito elegante em se tratando de regras de firewall porque ele aumenta o consumo de memória porém o DROP não estava funcionando.

Exemplo de uma origem ( zumbi ) bloqueada:

  REJECT  all  --  1-48.94.187.totvs.com.br
  anywhere  reject-with icmp-port-unreachable

Com isso tive que fazer um upgrade de memória poque o iptables estava brocando tudo.

5ª ação - Medidas emergenciais ( Snort+FWsnort )

Resolvi por o snort em conjunto com o fwsnort para bloquear os ataques. Dá um pouco de trabalho mas ele conseguiu pegar algumas origens, o problema é que o próprio ataque já estava exaurindo os recursos da máquina juntamente com o iptables e eu ainda jogo o snort+mysql+fwsnort. Ai lascou tudo, tive que voltar a prancheta.

6ª. ação - Algumas horas depois... ModSecurity e tunning do Apache

Vocês devem estar fazendo o seguinte questionamento: "Sim. E onde entra o Ossec nisso tudo????"

O Ossec estava bloqueando, porém como a assinatura do ataque era um pouco específica, ele não estava bloqueando todas as origens. Tentei criar uma personal rule mas já era 03:00 da madruga e eu não estava enxergando nem raciocinando.

Com certeza com a criação da regra baseada na assinatura do ataque ele seria muito mais efetivo. Como isso não era possível no momento, parti para a guerra fazendo um tuning do Apache e usando o Modsecurity.

Tunning

  vim /etc/apache2/apache2.conf
  ServerLimit 4000
  MaxClients 4000

ModSecurity

  aptitude install libapache2-mod-security2
  vim /etc/apache2/conf.d/modsecurity.conf
  < IfModule mod_security2.c>
  
  SecRuleEngine On
  
  SecDebugLog /var/log/apache2/modsec_debug.log
  SecDebugLogLevel 0
  
  # Serial audit log
  SecAuditEngine RelevantOnly
  SecAuditLogRelevantStatus ^5
  SecAuditLogParts ABIFHZ
  SecAuditLogType Serial
  SecAuditLog /var/log/apache2/modsec_audit.log
  
  # if there where more than 5 requests per second for this IP
  # set var block to 1 (expires in 5 seconds) and increase var blocks by one (expires in an hour)
  SecRule ip:requests "@eq 5" "phase:1,pass,nolog,setvar:ip.block=1,expirevar:ip.block=5,setvar:ip.blocks=+1,expirevar:ip.blocks=3600"
  
  # if user was blocked more than 5 times (var blocks>5), log and return http 403
  SecRule ip:blocks "@ge 5" "phase:1,deny,nolog,logdata:'req/sec: %{ip.requests}, blocks: %{ip.blocks}',status:403"
  
  # if user is blocked (var block=1), log and return http 403
  SecRule ip:block "@eq 1" "phase:1,deny,nolog,logdata:'req/sec: %{ip.requests}, blocks: %{ip.blocks}',status:403"
  
  SecRule REQUEST_LINE "^GET?\WWW\.ATARDE\.COM\.BR$ HTTP"\
    "nolog,deny,setvar:ip.ddos=+1,deprecatevar:ip.ddos=100/10"
  </IfModule>
  </blockquote>

A regra abaixo foi a que bloqueou os ataques. As outras foram só para encher linguiça.

  **SecRule REQUEST_LINE "^GET?\WWW\.ATARDE\.COM\.BR$ HTTP"\    "nolog,deny,setvar:ip.ddos=+1,deprecatevar:ip.ddos=100/10"**

As referências abaixo me ajudaram muito:

Às 04:00 da madruga as coisas se estabilizaram, o acesso ao site foi normalizado e o load não passava de 1.00. Com certeza essa não foi a forma mais elegante de bloquear este tipo de ataque, acredito que um IPS na borda ajudaria muito na resolução e prevenção, porém temos que trabalhar com as ferramentas disponíveis e usar a criatividade.



Veja a relação completa dos artigos de Alexandro Silva